Descrição do projeto - BV 43

O cata BV 43 foi concebido para ser um catamarã de cruzeiro com acomodações confortáveis que possibilite a vida a bordo. Suas características de navegabilidade visam velejar rápido, navegar em oceano, ter acesso às praias e locais rasos de nosso litoral e assim como nas demais regiões do planeta. A base de desenvolvimento das linhas deste novo projeto foi o nosso modelo BV 40, que demonstrou, na prática, excelente desempenho a vela navegando em mar aberto, sem necessidade de envergar uma área vélica necessariamente excessiva em relação ao seu tamanho. Portanto, as linhas equilibradas dos cascos, os sistemas estruturais e a mastreação simplificada do BV 40 foram transpostos e adaptados para o novo modelo, BV 43, que graças ao seu design arrojado, além de beleza, ganhou uma ampla cabina no cockpit central, com cascos mais longos e com maior boca. O objetivo do projeto, graças ao aumento do volume e dimensões maiores, é propor um tamanho ideal de barco para cruzeiro com conforto, facilidade de operação, bom desempenho e oferecer a melhor relação custo benefício dos catamarãs da categoria.

ARRANJO:

O arranjo (layout) do BV 43 é apresentado em duas versões: proprietário e charter. A “versão proprietário”, é aquela de uso particular pelo próprio cruzeirista, que navega e vive a bordo; a “versão charter” é aquela que dispõe de maior número de leitos. O arranjo é praticamente simétrico nos cascos: o barco dispõe de quatro camarotes de casal, dois leitos solteiros e dois banheiros.

As premissas básicas, portanto, além das características imprescindíveis de cascos que serviram de base para o projeto, foram obedecer às alturas internas aceitáveis, propor áreas de circulação desobstruídas, dimensões ergonômicas do mobiliário, área para instalação de acomodações e equipamentos condizentes, boa iluminação e ventilação natural.

Segundo as vistas dos planos preliminares do arranjo, observa-se distintamente um módulo central que, além da função estrutural, agrega os dois cascos, compondo a configuração de um catamarã monobloco. O barco, segundo a “versão proprietário”, está subdividido em seis grupos de ambientes, os quais podemos assim enumerar:

Casco de bombordo (proprietário): um camarote de casal na popa, gabinete mini biblioteca, banheiro completo e leito no bico de proa.
Casco de boreste (convidados): um camarote de casal na popa, painel de força, banheiro completo, camarote de casal na proa e leito no bico de proa.
Cabine central (salão e cozinha): sofá em “U” para oito pessoas, mesa de jantar, cozinha, refrigerador e mesa de navegação.
Cockpit (comando e acomodações externas): painel de comando com timão e cadeira de piloto, catracas, sistema de controle de velas e bolinas, assentos para tripulantes sob bimini.
Convés (áreas de proa, popa e coberta): Passagens laterais, paióis de proa, guincho de âncora, ferragens de atracação, área para banho de sol e redes de proa.
Casa de máquinas (motores e lemes).

MATERIAIS E TÉCNICA DE CONSTRUÇÃO

Desde 2008 o sistema construtivo dos modelos dos catamarãs BV26; BV36 e BV43 foi praticamente modificado na sua totalidade. Atualmente, dispomos de formas fêmeas para produção em série, utilizamos em todo o barco foam cored PVC (divinycell) como núcleo, laminados com tecidos de fibras exóticos ou fibra de vidro biax e triax; resinas poliéster, resinas epóxi, gel iso e gel com barreira química proteção. Provenientes dos melhores fornecedores no mercado. Novos materiais e técnicas construtivas adotados nos cascos e estruturas do barco substituíram a tradição adotada pelo estaleiro que durante vários anos utilizava o sistema de strip planking de cedro, tecidos biaxiais e unidirecionais de fibra de vidro laminados com resina epóxi.

No entanto algumas técnicas construtivas continuam sendo mantidas, mas incorporando-se a utilização de novos materiais. Continuamos adotando o sistema de conjunto rígido e monobloco, a partir de três vigas estruturais. Cada viga está ancorada numa estrutura previamente determinada e preparada, nas respectivas anteparas. As vigas são laminadas com resina epóxi em forma de treliças levemente arqueadas que vão de um casco a outro. Apoiadas nas vigas são laminadas as longarinas e estruturas de convés, deck e cabine central, ou o bridge deck, se assim preferirem.

Efetuada a ligação dos cascos, com os pisos de deck acabados; inicia-se a construção dos interiores e os devidos reforços de pontos de estaiamento, lemes e outras peças. Concluída esta etapa fecha-se o convés, teto de cabine para acabamentos e finalmente a montagem de peças e ferragens.

Em todas as demais etapas construtivas, com exceção de móveis e divisórias, fechamento de convés, cabine central, entre outras, també m são utilizados sanduíche em foam cored (fibra de vidro, resina e espuma PVC de alta densidade) para diminuir o peso e manter o centro de gravidade (de massa) o mais baixo possível. Aliás, todo o processo construtivo, principalmente o de ligações e estruturas, tem o objetivo de garantir rigidez e leveza ao conjunto, que é um dos segredos para o sucesso de qualquer multicasco.

MASTREAÇÃO

Quanto a mastreação a peculiaridade é armação com duas velas de proas e uma grande com talas inteiras (full battens). A vela grande combinada com a buja (vela de proa menor) são para atender as condições de vento forte e a necessidade de velas mais planas com centros vélicos mais compactos, ou mais próximos, quando o barco velejar na situação de orça (contravento). Em velejadas ao largo ou través, serão utilizadas a grande e genoa (120% a 150%), situação que o centro vélico necessita avançar mais um pouco, resultado que será obtido com combinação dessas velas. Além das diferentes combinações propostas dos usos de velas, devemos atentar para a estruturação do estaiamento, que visa redobrar a segurança. Conforme pode se observar há dois estais em cada situação, dois brandais de boreste, dois brandais de bombordo e dois estais de proas, além da estruturação por meio de dois diamantes , três cabos e três cruzetas 90º entre si. O perfil proposto é construído em alumínio, com pelo menos 17,30 m de comprimento, fornecido por MANOTAÇO NÁUTICA.

VELAS

A mastreação de cruzeiro é composta de vela grande full batten com duas forras de rizes, dacron 9 oz importado, com 51 m² de área; uma genoa 120% com capa de proteção U.V. para enrolador, confeccionada em dacron importado de 7.0 oz , dispondo de 48m² de área; buja para o estai “ inner ” com capa de proteção U.V. para enrolador, confeccionada em dacron importado de 8.0 oz , dispondo de 18 m² de área.

A configuração do barco também oferece dispositivos para instalação de gurupés articulável com regulagem, mais dois estais “runners” que servirão de componentes básicos para envergar um Spi assimétrico montado em enrolador code zero. O gennaker ou spi assimétrico são confeccionados com nylon ripstop de 1.4 oz podendo ter até 90 m² de área.

ANTECEDENTES DO PROJETO

A principal referência foi, sobretudo, as experiências próprias bem sucedidas com o catamarã “Sterna P.”, modelo BV 40. O novo projeto veio dosado com mais conforto, segundo solicitações do cliente e à semelhança dos catas convencionais de cruzeiro, aprimorado com a aplicação adaptada de algumas tendências dos atuais multicascos racers offshore . O equilíbrio do conjunto que compõe o projeto do BV 43, se deve à escolha cuidadosa de vários parâmetros fundamentais como, a sua relação boca/comprimento, seu coeficiente prismático, a forma de fundo de casco, a relação área vélica deslocamento, a altura de piso entre cascos em relação à linha d'água, localização de centro vélico em relação ao centro de empuxo, que são conceitos teóricos que foram experimentados na prática no modelo que lhe serviu de plataforma.

A falta de oferta no mercado de um catamarã funcional, confortável e preços competitivos, que não perca o seu aspecto original de um bom multicasco; um barco simples, veloz e espaçoso, nos sinalizou na direção do desenvolvimento desse novo modelo, o BV 43.

CARACTERÍSCAS DO TESTE DE NAVEGAÇÃO (SÃO LUÍS/MA – RECIFE/PE)

O BV43 flutuando com a sua carga padrão prevista, motores, ferragens, tanques cheios, abastecido, etc., apresentou-se um barco trimado, com o calado um pouco abaixo do previsto. O que lhe garante aspectos de leveza e maior reserva de flutuação.

Sob os dois motores Yanmar 3Y30C de 29 hp cada, em condições de mar abrigado a 3400 rpm atingiu 10.5 nós; em regime de cruzeiro, a 2600 rpm, em condições de mar calmo, navegava um pouco acima de 8 nós. Em condições mais severas de mar e vento entre 2300 a 2500 rpm a velocidade se manteve a 7 nós.

Com vela grande e genoa, sob um vento real entre 16 a 18 nós próximo aos 100° a 110º o barco atingiu, em cruzeiro, 13 nós, com cerca de um terço da bolina abaixada. Na orça, que foi a situação predominante no percurso da viagem, ventos de 16 nós, o BV 43 velejava em média 7 nós, com 40º de ângulo em relação ao vento, com as bolinas totalmente abaixadas. Infelizmente não dispúnhamos nessa entrega de um gennaker a bordo para fazer as devidas verificações.

O leme foi muito sensível e leve sob todas as condições de mar e vento. O conjunto comandado pelo piloto automático ST 6002 smart autopilot , teve um desempenho surpreendente no comportamento do barco, com governo sempre suave e de baixo consumo de energia. Além da esperada estabilidade lateral, a grande estabilidade longitudinal, ou melhor, o baixo grau de caturro, foi mais uma grata surpresa para um multicasco nessa velocidade e sob condições semelhantes de mar, demonstrando ser suave e confortável. Outro aspecto notável, tanto no contravento como a favor do vento, foi o silêncio a bordo, devido à considerável altura entre o piso da plataforma e a linha d'água ( clearence) de 0.90 m a 1.00 m , como também aos materiais empregados.

O silêncio a bordo, além do material empregado que favorece o isolamento acústico, se atribui à qualidade da construção. Por ser devidamente “sólido” graças à estrutura e à laminação reforçadas, assim como aos pontos de fixação de ferragens bem dimensionados, o barco, quando veleja sob regimes mais duros de vento e mar, não transmite ruídos e impressões de estresse de material, como verifica-se em vários multicascos.

CUSTO, CONDIÇÕES DE VENDA E ENTREGA.

Todas as unidades são construídas por encomenda, segundo as condições definidas em contrato. Na condição de comercialização do modelo Standard os barcos são entregues flutuando na configuração descrita acima, mastreado, com velas, catracas, ferragens de convés, cabos, adriças, instalação elétrica, hidráulica, estofados internos, eletrônicos e motorização, conforme especificações de equipamentos relacionadas na tabela.

BATE VENTO SAILMAKER & CATAMRANS
55 (98) 3227-1970
batevento@batevento.com.br